Blog Clínica Greenwood

Amy Winehouse sofreu “morte acidental” após abuso de álcool

LONDRES, 26 Out 2011  – A cantora britânica Amy Winehouse sofreu uma “morte acidental” após consumir uma quantidade de álcool mais de cinco vezes superior à taxa permitida para dirigir, concluiu nesta quarta-feira em Londres a investigação sobre seu falecimento.

O álcool aparentemente envenenou a “diva trash do soul”, que estava há três semanas sem ingerir a substância quando foi encontrada morta em seu domicílio do bairro turístico de Camden, no dia 23 de julho, segundo a investigação.

“Havia consumido álcool suficiente, com 416 miligramas por decilitro (de sangue), e a consequência não deliberada deste nível potencialmente fatal foi sua repentina e inesperada morte”, indicou a responsável pela investigação judicial, Suzanne Greenway.

Com apenas 27 anos, Amy Winehouse tinha um longo histórico de problemas com drogas e álcool.

Apesar das especulações iniciais sobre uma possível overdose, a necropsia realizada dois dias após seu falecimento não pôde estabelecer formalmente a causa de sua morte.

Os exames toxicológicos complementares realizados em agosto revelaram a presença de álcool, mas não de drogas.

Durante o funeral da popular intérprete de “Rehab”, seu pai, Mitch Winehouse, disse aos presentes que há muito tempo sua filha não era tão feliz como nas semanas anteriores a sua morte. Informou então que Amy havia “vencido” seu vício em drogas e estava “dando duro para gerenciar o quanto bebia”.

Com sua voz poderosa e seu característico penteado, Amy Winehouse era considerada uma das melhores cantoras britânicas dos últimos anos, mas seus vícios ofuscaram seu talento.