Blog Clínica Greenwood

Vício em jogos eletrônicos é caso de saúde pública em muitos países

Reportagem do Jornal Nacional, da Rede Globo, sobre o vício em jogos eletrônicos tem a participação do Dr. Cirilo Tissot

Um grupo de especialistas aconselhou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a considerar o vício em jogos eletrônicos como um transtorno mental.

A Organização Mundial da Saúde reconhece os benefícios do mundo virtual como a troca de informações em tempo real. Mas alerta: o exagero é um problema de saúde pública em muitos países.

Para o psiquiatra Cirilo Tissot, a decisão de incluir o vício em games como transtorno vai ajudar os médicos a fazer essa diferença. Ele explica: há uma predisposição genética na maioria dos casos e sinais que servem de alerta.

“Quando eu começo a deixar de fazer outras obrigações, ir na escola, estudar, frequentar relacionamentos sociais, de amigos, quando eu começo a fazer isso em função de jogo, esse é principal sintoma de que a pessoa está viciada, esta compulsiva nessa atividade”, disse.

A dependência em games, assim como em outras atividades, tem uma explicação, uma reação bioquímica dentro do nosso cérebro: ele libera um neurotransmissor chamado dopamina, que dá uma sensação de prazer, euforia, recompensa. Quem se vicia, não consegue viver sem essa descarga de dopamina. Sempre quer mais e mais.

Confira a reportagem com a participação do psiquiatra clicando no link abaixo: