All posts in Artigos

A maioria dos brasileiros se enrolou com pequenas dívidas

A maioria dos brasileiros se enrolou com pequenas dívidas do dia a dia, usando o cheque especial e o cartão de crédito.

O Brasil tem mais famílias endividadas e as dívidas estão cada vez maiores. Uma pesquisa recente mostra que o número de pessoas que não conseguem pagar as contas aumentou 19% no primeiro semestre.

Por isso, a maior cidade do Brasil – São Paulo – começa nesta quarta-feira (25) uma feira para ajudar quem está enrolado com as contas. Além de equilibrar o orçamento, o consumidor tem que controlar o impulso de comprar mais e mais.

Para muita gente, as compras se transformaram em uma compulsão, parecida com um vício. Mas, a maioria dos brasileiros se enrolou com pequenas dívidas do dia a dia, usando o cheque especial e o cartão de crédito.

As nossas dívidas estão maiores do que nunca. Aumentou demais o número de consumidores que não estão conseguindo pagar o que devem.

A inadimplência no país aumentou mais de 19% no primeiro semestre com relação ao mesmo período do ano passado. Segundo levantamento feito pela Serasa, 60% dos inadimplentes tem dívidas acima da própria renda.

Quem já sofreu com dívidas aprendeu algumas lições básicas, principalmente com relação ao cartão de crédito.

Tem gente que se encanta com um produto, mesmo que não precise dele. Com a internet ficou muito mais fácil fazer compras, e o ato de comprar foi virando quase um vício. A pessoa começa a comprar e não consegue mais parar.

Alguns psicólogos e psiquiatras chegam a tratar o comprador compulsivo como se ele fosse um dependente químico.

“Alguns pacientes dependentes químicos que também eram compradores compulsivos relatavam uma euforia muito semelhante a que eles tinham quando usavam cocaína, no momento que eles tinham a compra. E depois da compra, geralmente eles têm uma angústia, uma sensação de fracasso”, explica o psiquiatra Juan Pablo Roig Albuquerque.

“O que é saudável é a pessoa saber o que ela pode. E agora o que não é saudável é quando ela compra mais. Dez vezes mais do que ela ganha, 20 vezes mais do que ela ganha. E o sofrimento é muito grande”, afirma a psicóloga Monique Brandão de Freitas.

Fonte: Bom Dia Brasil
More

Filhos de Dependentes Químicos

Filhos de Dependentes Químicos

 

Filhos de dependentes químicos tendem a serem crianças e adolescentes com dificuldades emocionais relacionadas à auto-estima, tornam-se inseguras e com riscos de desenvolver doenças como depressão e ansiedade precocemente. Vivem em ambientes estressantes e sem rotinas pré estabelecidas. Fatores que no futuro podem vir afetar seu desenvolvimento social e deficiência nas relações dentre outros prejuízos.
As dependências afetam toda a família tornando os lares ambientes tensos, frágeis, desorganizados e as relações disfuncionais. Empobrecimento em resoluções de problemas.
Predominam ainda as dificuldades escolares, riscos de agressões físicas e abusos em alguns casos.

Uma abordagem preventiva de caráter terapêutico é importante, mesmo que haja na família um membro na primeira fase da dependência.
O ambulatório da Greenwood oferece um acompanhamento terapêutico e reabilitador para crianças e adolescentes. Espaço “CRESCENDO E DESENVOLVENDO A CRIATIVIDADE” é um programa que visa estimular a criatividade, proporcionando aos jovens a oportunidade de se descobrirem através de sua própria habilidade, construindo e conservando sua motivação para a vida. Proporciona um espaço de convivência e apoio, capaz de colaborar com sua rotina. Desenvolve segurança, auto-estima e organização, além da assertividade e atitudes proativas.


Dr Juan Pablo                                                               Monique Brandão de Freitas

Médico Psiquiatra                                                                    Psicóloga Clínica

More

Drogas: internação compulsória e educação

Folha de São Paulo
A internação involuntária do dependente, uma importante ferramenta, é autorizada por lei; na rua, jamais se libertará da escravidão do seu vício.

A violência assusta a todos nós.

O sono interrompido por meliantes invadindo nosso lar. O semáforo que tarda a sinalizar a luz verde, submetendo-nos a intermináveis momentos de tensão ao nosso redor. Os filhos que saem de casa para se expor aos perigos urbanos, gerando em nós a angústia da espera.

Pior que a própria insegurança, só mesmo sua inquietante sensação. Dados recentes do IBGE apontam que 35,7% dos lares brasileiros possuem grade em suas portas ou janelas. Quem tem condições se protege como pode.
O rentável mercado da segurança privada floresce, alimentando a indústria do medo. Blindagem de automóveis, condomínios fechados, vigilância particular em ruas e residências e mundos interiores fechados esvaziam espaços públicos e ceifam a convivência social, sombreados pelo fantasma da criminalidade. Na gênese disso tudo está a disseminação ilícita das drogas.

Triunfantes em sua batalha na mente do jovem, os entorpecentes têm dragado vidas ainda incipientes ao abismo da dependência sem volta. Antecedidas, em regra, por um histórico de desprezo, maus-tratos, abandono, abuso sexual, comportamento omisso ou inadequado dos pais ou responsáveis, ou mesmo pela falta de perspectiva de projetos positivos, crianças e adolescentes perambulam pelas cracolândias da vida em busca de drogas baratas e mortais.

Há uma dupla vitimização: do viciado, impelido pelo incontrolável desejo de consumo, que acaba por se tornar um delinquente, e dos inocentes, que por uma infelicidade cruzam seu caminho durante a ação criminosa.

Nessa perspectiva, o uso indevido de drogas deve ser reconhecido como fator de interferência na qualidade de vida do indivíduo e na sua relação com a comunidade (lei nº 11.343/2006, art. 19, inciso I).

A internação involuntária do dependente que perdeu sua capacidade de autodeterminação está autorizada pelo art. 6º, inciso II, da lei nº 10.216/2001 como meio de afastá-lo do ambiente nocivo e deletério em que convive.Tal internação é importante instrumento para sua reabilitação. Na rua, jamais se libertará da escravidão do vício. As alterações nos elementos cognitivo e volitivo retiram o livre-arbítrio. O dependente necessita de socorro, não de uma consulta à sua opinião.

A internação compulsória por ordem judicial pressupõe uma ação efetiva e decidida do Estado no sentido de aumentar as vagas em clínicas públicas criadas para esse fim, sob pena de o comando legal inserto na lei nº 10.216/2001 tornar-se letra morta.

Espera-se que o poder público não se porte como um mero espectador, sob o cômodo argumento do respeito ao direito de ir e vir dos dependentes químicos, mas, antes, faça prevalecer seu direito à vida.

FERNANDO CAPEZ, mestre pela USP e doutor pela PUC-SP, procurador de Justiça licenciado, é deputado estadual de São Paulo pelo PSDB. Site: www.fernandocapez.com.br.

Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)

More

Novos Riscos, tratamento para vícios em jogos

Novos Riscos, tratamento para vícios em jogos
Comentários desativados

A internet facilita a vida de todo mundo, incluindo a de pessoas viciadas em jogos de azar. Uma pesquisa publicada na revista médica especializada “The Lancet” ressalta o perigo que cassinos on-line representam para quem tem problema com apostas. Segundo o estudo, a internet deveria oferecer, por outro lado, formas de tratamento para essas pessoas.

A publicação alerta para o surgimento de novos meios que sustente o vício, como por exemplo a internet. “Temos de prestar atenção às novas tecnologias, um campo em constante mudança”, concorda David Hodgins, professor de Psicologia da Universidade de Calgary, Canadá, e co-autor do relatório, que examinou a situação de estudos e tratamentos para o vício.

O desejo de apostar é praticamente universal, mas estudos encontraram variações acentuadas entre países e regiões em relação à porcentagem de pessoas cujo desejo de jogar por dinheiro pode ser classificado como um problema patológico.

Na Noruega, uma em cada 500 pessoas possui um transtorno de jogo, enquanto em Hong Kong, a taxa sobe para a preocupante taxa de uma em 20. Apenas 10% dos jogadores compulsivos procuram tratamento, segundo o relatório.

A Associação Americana Psiquiátrica identificou o jogo patológico como um transtorno do controle de impulso em 1980, mas atualmente ainda analisa os critérios utilizados para o diagnóstico.

Os jogadores patológicos muitas vezes têm outros transtornos psiquiátricos ou problemas de abuso de substâncias. Entretanto, de acordo com a pesquisa, há uma carência de estudos sobre como lidar com essas situações.

Eles por vezes podiam “se tratar” sozinhos, apenas evitando lugares públicos onde se pode apostar. No entanto, a internet oferece um novo desafio para o monitoramento, permitindo-lhes jogar na privacidade de suas casas.

“Hoje em dia está muito mais difícil evitar jogos de azar”, sintetiza Hodgins. Ele lembra que sites de apostas muitas vezes entram em contato com clientes em potencial via e-mail. Ou seja, mesmo que o jogador tente se distanciar deste mundo, a tentação é grande.

Por outro lado, Hodgins sustenta a ideia de que a internet também poderia ser uma aliada, e não apenas uma vilã para os viciados em jogo. Segundo ele, a rede pode ser capaz de incentivar mais estudos sobre como tratar os distúrbios do jogo e possivelmente compensar os problemas causados ​​aos jogadores com problemas de acesso a jogos online.

A criação de fóruns na internet para que as pessoas com o mesmo problema se ajudem, nos moldes dos grupos de auto-ajuda como os Jogadores Anônimos, é uma das principais propostas exploradas pelos pesquisadores.

fonte: Reuters

 

More

O tratamento da Dependência Química eficaz, necessita da manutenção ao longo do tempo.

A Dependência Química é um problema grave que pode ser tratada e gerida ao longo do seu curso. Tratamento do abuso de drogas eficazes envolve os participantes em um processo terapêutico, os retém em tratamento por um período de tempo adequado, e os ajuda a aprender a manter a abstinência ao longo do tempo. Vários episódios detratamento pode ser necessária. Resultados para usuários de drogas infratores na comunidade pode ser melhorada através de monitoramento do uso de drogas e porincentivar a participação continuaram em tratamento.

More